terça-feira, 20 de março de 2012

Eu não devia mais esperar.






Eu tinha um encontro marcado com a star.
Eu estava bebendo horrores, além de está amanhecido.
Não tinha dormido a noite toda.
Tirei um cochilo, não tinha condição psicológica ou fisicamente.

Cochilei, dormi, desmaiei. Bem, fiz isso por uns quarenta e cinco minutos, acordei mais bêbado do que fui dormir.
Tomei um banho, sentia muita sede. Sentia-me nauseado e com um ataque gástrico sem dó ou piedade.
Fui a pia escovei os dentes, senti o vomito, me  virei para a privada e vomitei, escovei os dentes e vomitei mais um pouco, e escovei os dentes novamente.

Arrumei-me, olhei a hora, quase na hora marcada, liguei pra ela pra confirmar.
-Sim, podre, ela vai colar no horário marcado!
Mas não me contentava, ligava para ela de cinco em cinco minutos. Sentia-me um adolescente, empolgado.
No fundo eu queria apenas abraçar aquele corpo magro e frágil, aparentemente adolescente, ouvir sua voz me falando coisas legais e outras que não me interessaria nenhum pouco.

Eu estava muito inquieto, meu peito doía, minhas costas me matavam, respirar me dava raiva, andar me incomodava, e água estava com um gosto esquisito.
Mas ainda sim eu continuava andando, continuava respirando e continuava tomando água.

Apesar de tudo, o vento era agradável, o canto dos pássaros ainda tinha encanto, imaginar o que a pessoa solitária no outro lado da praça estava pensando da vida, olhar o garoto passeando com seu cachorro, ouvir a conversa dos guardas que estavam na guarita.

Tudo ali estava ótimo, menos esperar por ela.