domingo, 30 de janeiro de 2011

garota o papo é sério, eu não preciso te ouvir

Ela!

- Oi!

- Beleza, e tu?

- To bem também!

- Seu Chico, outra fadinha verde.
- Há quanto tempo!

- Pois é, muito tempo.

- Agora ta tomando cerveja, mesmo!

- Faz uns dois ou três anos que comecei a tomar cerveja!

- E você ainda bebendo e enlouquecendo?

- Não. To maneirando desde quando estava em Belém.

- Da ultima vez você estava, totalmente ao contrario do que agora. Mas será que você agüenta a pressão?

- É! Larguei as bebidas baratas, as loucuras, as traições e a vida promiscua.

- Você não agüenta, da ultima vez tentou e não conseguiu. Isso é o teu maior vicio, ele te comanda.

- Pior, que não, há seis meses atrás comecei a namorar uma garota e desde então me sinto um pouco mais completo... Diferente do vazio que sentia quando namorava.

- Vou pegar uma latinha. Quer uma?


- Não, obrigado, minha ainda tem um gole.

- Haha... Você não muda mesmo. Continua louco.

- É a loucura está em mim, sempre preciso dar uma pirada pra me sentir bem.

- E o que andou fazendo nessas férias?

- Fui pra Belém, dar um tempo de tudo e de todos, já estava pirando aqui, precisava namorar um pouco e conhecer a família da minha namorada.

- Ta namorando a distancia?

- Ahan, peguei esse habito, mas se eu pudesse começava a namorar com ela quando à conheci.

- Hum, também to namorando faz um tempo, ele é mais novo que eu.

- Parabéns! Espero que ele não faça contigo o mesmo que eu fiz.

- Como assim?

- Relaxa!.


- É também vi as fotos no seu orkut de você com a sua namorada. Ela parece ser legal.

- Ela é a melhor de todas! Seu Chico outra verdinha.

- Ta podendo mesmo. Viajando, tomando Heineken.

- To quase chegando onde quero. To calmo, to regrando bebida, das pessoas, to mais recuado, agora to na luta pra parar de ser o causador da estória.


- Ta bravo?

- Não, acho que já começou a apitar, cheguei ainda agora de viajem, e sempre que volto nesse lugar sempre penso a mesma coisa. “o que estou fazendo aqui?” “aqui não é o meu lugar” ai começa um congestionamento na minha mente, daí começo a enjôo e abuso das pessoas.

- tu precisas de ajuda mesmo, tu realmente não és desse mundo.

- A única coisa que preciso é de outra férias, daqui pra 2 meses minha ignorância vai estar suprema.

- E o que você faz quando isso acontece?

- Simplesmente tento me conformar.

- e acaba vindo pra bar?


- Ou ando por ai. É como assisti Televisão num dia de domingo, é tão chato que você fica viajando por todos os canais...

- Ou desliga. 

- Ou então penso em quebrá-la.

- Agora to saindo mais que nunca, meu namorado não bebe, então bebo por mim e por ele, sempre saímos de noite às vezes pro terminal ou então pra casa das minhas amigas. 

Seu Chico olha a situação de maneira esquisita.

No celular da minha mãe começa rolar umas musicas, que coloquei quando estava em casa.

- Que banda é essa?

- Nenê Altro & o mal de Caim. Lembro de quando estava em Belém, minha trilha sonora das férias.

- E como é namorar a distância?

- É bom e ao mesmo tempo ruim. A parte boa é que temos muito espaço. E a parte ruim é que temos muito espaço.

- Entendo.

- Entende é o caralho. Como muito fico assim esperando com a boca salivando, deixando o cabelo crescer e com um olhar neutro. Eu isso. Eu me sinto assim. Eu sinto isso.
Mas tudo bem eu gosto, a solidão essa época do ano sempre é minha melhor amiga.


- E o que pretende fazer agora?

- Ficar por aqui até enquanto decidirem me mandar embora.

- Não, eu quero dizer da vida.

- Só comprar algumas coisas, trazer minha namorada pra passar as férias aqui e por enquanto é isso.

- E depois?

- Depois, eu não sei. Deixa rolar.

- Não sabe o que quer?

- Sei sim. Quero ficar em paz e me sentir bem.


- legal!

- Agora já deu, desde quando te conheci, você me atrasa, e sua presença me incomoda.

Tenho a despedida de um amigo pra ir.

- Onde é?

- No lugar onde passei minha adolescência inteira.

- parece estar meio bêbado.

- to relaxado tomei cinco dessa, acho que é o cansaço, passei o dia todo na estrada.

 - Sabia que ainda gosto de você.


- Ai o problema não é meu, acho que você foi uma das que nunca me sentia bem, por isso fazia o que fazia contigo.

- Desculpa.

- O problema não é contigo, é comigo. Tchau o papo já ta ficando insuportável. A conta seu Chico.


- Até qualquer dia então?

- Espero que não exista qualquer dia.

(...)

Meus pés formigam, acendo um cigarro enquanto sinto a garoa em meu rosto.
Acabo o cigarro pego um táxi e vou pro meu lugar.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Café, Álcool, Personalidade e cigarro




Talvez o problema seja minha personalidade, talvez o café, o álcool ou cigarro.
Mas os três últimos não têm nada a ver com o amor.
o álcool desce rasgando pela garganta, como uma discussão de 2 pessoas que se ama muito, e em seguida você acorda destruído.
Tudo aquilo que você idealiza sempre não sai como queríamos.
O café te deixa ligado pra não cometer malditos erros, que sempre surge quando se age por impulso.
O cigarro fode com o teu pulmão sem ao menos colocar uma camisinha, te deixa mais calmo, relaxado.
A minha personalidade não, ela é o pior demônio que pode existi em mim, pior que o café, o álcool e o cigarro.
sou como uma bomba relógio preste a explodir a qualquer momento.
Como muitas pessoas que passaram em minha vida, eu também tenho um prazo de validade.
uma hora estou “comestível”, quando menos se espera fico “estragado”.
meu conservante não é o dos melhores.
tudo se abala por um erro que não sei se realmente é. Vejo que estou errado,tento ajudar mas sempre deixei bem claro que nunca consegui me explicar verbalmente.
talvez se eu fosse um produto como um leite talvez, seria pior, pois iria ser utilizável e doce só enquanto tivesse dentro de uma caixa, se não fosse assim iria ficar azedo pro resto da vida como sempre fui, até uns meses atrás.
as vezes sou tão ridículo que acabo não merecendo ninguém, e acabar como aquelas velhinhos que ficam sentados em uma praça jogando migalhas pros pombos.
Que passou a vida idealizando sua felicidade
ou talvez não, ser assim é horrível.
Bom e o que não seria de um belo romance se houvesse desentendimentos? as vezes fica ele também é como eu, como você e como todos nos , um produto com prazo de validade, abrir ao produto tem que ter cuidado pois você fica doente de vontade, mas depois que bebe passa mal e depois recupera vê que nem foi tudo aquilo, fizemos tempestade em copo d’agua.
tudo que me refiro aqui é a mesma merda.