sábado, 8 de maio de 2010

É né uma homenagem para ekas



Se dissesses que te amo mesmo com tantas intrigas?
como aquelas histórias,
que sei, me dizia quando ia dormir,
meus sonhos ainda vivem de suas palavras,
meu corpo ainda sente o seu calor
me cobrindo nas noites frias e escuras
que eu tinha medo...
Mas agora eu sinto...

estou sofrendo sem querer.
você corta minhas asas para que
não possa fugir,  para que
nunca tenha que olhar meus frágeis braços
se despedir de ti.

Tão estranho quanto nossas brigas
e te perder de minha vista
pra sempre
nunca te deixo me ver chorar
pra poder me entregar completamente ao mundo
pra me entregar aos vicios da vida
porque não gosto de esconder...

Durante esse tempo todo
você fez alguns querer
sem ver que estava errada
suas palavras as vezes faz-me emputecer.
Mas hoje faço tudo ao contrario...
mesmo sendo uma parte de ti
mas minhas palavras confundi tudo
mesmo seguindo outro rumo em nossas vidas...

Lembro de quando ainda era uma criança,  era super mimado por eles, mas sempre que pisava na bola eles me metiam uma bela surra.
me mãe sempre me protegia, me acobertava, me dava uma beliscada, até hoje ainda faz isso. hahahaha.
Enfim, hoje eu não estou aqui pra falar de mim, e sim delas, as supostas mulheres de nossas vidas, elas que são nossas advogadas quando nossos pais estão tiranos.
Acho que se dependesse de muitas mães, nunca sairiamos das asas delas.
Minha mãe e eu, temos um caso de estranho amor, toda dia nós brigamos, todo dia ela me expulsa de casa, todo dia ela joga coisa na minha cara.... hahahaha.
 Simplismente relevo, pelo fato de me ter colocado nesse caos, então cuide de mim...
(Pense o que quiser de mim, mas isso é o que penso e to pouco cagando para as tuas idéias.)
Mas no final do dia, quando ela vai dormi, e eu continuo apodrecendo na frente do pc ela vem me dá um beijo na cabeça e me deixa um boa noite... hsuhsushushsuhsus.

Até que gosto as vezes trato nossa relação aqui em casa como um daqueles jogos que ficam uns idiotas confinado numa casa.
Agora estamos mais calmos, antigamente qualquer briguinha era motivo pra passar semanas longe de casa.
Minha mãe na minha infânca sempre foi presente. Sempre me deu o que pedia, mesmo depois de anos. minha familia sempre foi estabilizada financeiramente, "não somos ricos" lembro na fase negra da familia em que sobreviviamos com pouco capital, pois meu pai estava sem emprego e com dinheiro começou seu novo negocio e comprou a casa onde vivo agora... ela conseguiu comprar minha bateria, tirar a carteira de motorista do meu irmão. 

E eu sempre nessa vida "junkie", nunca me preocupei muito, mas la no fundo quando estou longe dela bate aquela saudade, de nossas discurssões diárias, sempre sinto falta de sua maneira de cozinhar, enquanto conversamos sobre a vida na cozinha....

Enfim acho que tenho esse nojento sentimento chamado "amor" por ela....

"me deixaste nessa vida pra sofrer?"

E assim deixo minha singela homenagem a ela!

Paz, sorte e amor!