sexta-feira, 16 de abril de 2010

entrevista com o fellipe

fellipe, eu

Em uma madrugada chata de sexta feira eu estava entre uma dose de cerveja e um trago de cigarro, trocando uma idéia no msn com o fellipe, logo surgiu um espírito de um jornalista e mim
E foi bem franco falamos de tudo um pouco acho que só vcs acompanhando pra entender:

Billy podre: amanhã eu vou falar sobre o inicio da banda.
Conta ae como foi que surgiu o billynho podre?

Fellipe: eu estava com uma mania muito chata de fazer rap pra tudo
e tava tirando onda contigo,
enquanto nós estávamos conversando e andando na frente do colégio positivo
ai tirando onda contigo, e tu gostou da letra
e nesse caminho íamos pra casa do Andrew e do purê fazer sei lá o que.
Só sei que eles estavam gravando demos caseiras
Lá tinha um monte de “gambiarras” lá e sei que dava pra gravar.
Ai eu anotei a musica no papel, e foi muito direto, gravamos sem baixo,
o Andrew inventou uns acordes e eu fui acompanhando no vocal
e logo no primeiro ensaio gravamos e “já uera”, nunca mais nem ensaiamos ela.

Billy podre: E o inicio da banda libertários?
Me lembro que agente queria sair do tédio.
Tipo não foi uma nova molotov-77 e sim formar uma nova banda, agente queria algo novo.

Fellipe: isso!                                                                          
E o plano da libertários vem mesmo antes da molotov-77.
Queríamos fazer uma banda revolucionaria pra monte dourado (interior do para na divisa com Amapá. No qual moramos), Porque agente tava naquele pique todo do punk.
A idéia vinha desde o inicio de 2008, depois eu fui pra são luis e quando voltei começamos a ensaiar, mas agente demorou a gravar o resto das demos.

e depois todo mundo deixou de gostar do nome, porque o som não fazia jus ao nome,
Não tava como na idéia primordial e nunca gravamos.

Billy podre: e as demos?

Fellipe: é nem acabamos de fazer todas as musicas próprias, o tempo passa tão rápido meu caro, é triste!

Billy Podre: muito doido no future, rap do negão e billynho podre, não são demos?

Fellipe: são cara, mas acho que com o tempo, se agente realmente se esforçasse tínhamos muito mais coisas.

Billy Podre: o que tu acha que foi o maior problema da banda nesse 1° ano?

Fellipe: nossas vagabundagens e falta de consenso.

Billy Podre: e se a banda continuasse eu, tu e o Renan, tu acha que estaríamos melhor?

Fellipe: depende muito, acho que estaria bem melhor, mas tipo eu, tu e o Gerson, ou o Renan mesmo.
eu não era perfeccionista, doido, ate porque não existe isso no punk, e porquê dava raiva da falta de interesse, tolerância acaba velho
Eu queria que a banda fosse pra frente e tal.
queria muita coisa, mas q não saia quase nada.

Billy Podre: E qual a diferença entre a Libertários e a Agressão Verbal, sua nova banda?

Fellipe: cara, gostava mas de tocar com vocês pelo lance da amizade que não é pouca, e tinha bastante tempo.
mas como em mtd e tudo mas difícil, acho que agente trabalhou pouco, pela carência de bandas, acho q dava de fazer muita coisa, só a vibe que eu sentia em tocar em Monte dourado era muito melhor que aqui em Macapá.
Mas a Agressão é uma banda que começou bem
agente seguiu a temática de grito e distorção que já queríamos. Era pra ser power trio
Mas o Diego se enfiou e acabou rolando
(Risos)

Fellipe: no primeiro ensaio tínhamos 4 musicas, no segundo 7, agora estamos com quase 10 musicas próprias, com identidades próprias e com a agressividade que as outras bandas daqui não tem.
Sei lá cara, a diferença é que aqui em Macapá foi tudo muito rápido,
mas também e mas fácil, porque tem estúdio e tem espaço, não precisa ter aquela onda de correr atrás de material, carregar bumbo nas costas e essas coisas,
mas acredite eu ainda preferia a correria de Monte Dourado, depois de tanto trabalho, quando chegava no objetivo que era tocar
era uma satisfação fodida, acho que a libertários era pra ter conseguido muito mas coisas além do proporcionamos,
muito mesmo, mas não fizemos por onde, mesmo assim saímos na frente de muita banda da região pois tocávamos músicas próprias, mas também tocávamos as musicas de nossas origens, coisa que as outras bandas não faziam, eles só tocavam pensado no publico.
ja nós pensávamos mas em nós, e o público que se fode-se, isso q era legal, agente xingava ,brigava, mandava se foder, pra casa do caralho, coisas que as outra bandas não faziam, pois as outras estavam pensando em agradar, foda-se nós somos punk e não viemos pra agradar ninguém

Billy Podre: e sobre as letras da libertários e da agressão? Pois a libertários tem a letra bem simples e direta como as nossas influencia. e a agressão? A letras tem uma diferença? afinal o resto da banda não é muito chegado em ramones como agente.

Fellipe: libertários é uma banda de punk rock, tocávamos punk rock com temáticas de nosso cotidiano e do que pensamos. A agressão é mais violento a intenção mesmo e agredir, tanto verbalmente como sonoricamente.

Billy Podre: a agressão é mais anarca que libertários?

Fellipe: As letras são com punho de protesto, mas nem sempre taum diretas,
nunca mencionamos o anarquismo nas letras

Billy Podre: as nossas letras era do nosso cotidiano, mas tinha nossas apunhaladas na vida
Fellipe diz: mas a visão política e praticamente a mesmo
Poisé a Agressão Verbal é curto e grosso.
a banda tem pouco mas de um mês, só tivemos 4 apresentações,mas o pessoal já ta sacando o som da banda

Billy Podre: e se a agente morasse em Macapá? será que já estaríamos entregues ao coletivo nojento de lá, ou faríamos o mesmo que fazemos aqui em Monte Dourado, arranjando nosso próprios shows independente de qualquer coletivo
ou órgão publico?

Fellipe: aqui em Macapá seria, mas fácil, menos correria, ia ter, mas espaço e um publico maior. Sobre o coletivo, sei lá. Acho q ele abre as portas pra muita banda, mas e feito de pessoas e o ser humano e cheio de falhas, não sei se estaríamos no Palafita.
Mas concerteza o som da libertários é diferente de qualquer banda que eu ouvi aqui em Macapá. Não estou falando de técnica, que aqui tem muito monstro, mas do lado sonoro mesmo ta ligado?

Billy Podre: como disse o Marconi uma vez pra gente “- vocês são os 2 únicos punks dessa ultima fase Monte Dourado da primeira década de Monte Dourado estão além de nós que fomos os primeiro do ano 2000.” O que tu acha desse comentário dele?
No sentindo produzir fanzines e fazer musicas de autoria própria

Fellipe: porra velho, do caralho! Pra falar a verdade estamos mesmo
se agente já tivesse na cena naqueles tempos, seria do caralho doido.
mas naquela época o bagulho era mas forte
O pessoal tinha mais atitude o que tocava nas radios era Raimundos.
Antigamente era mais foda, o pessoal mais unido.
Hoje é Restart, Nx zero essas bandas “emo” escrota que passa na radio toda hora.
Mas e isso velho, o trampo ta maior hoje.
exatamente por falta daquela galera que tinha mais atitude

Billy Podre: e pra encerrar essa entrevista ocasional, tu acredita nos futuros undergrounds de Monte Dourado? Será que eles se influenciaram na gente que batalha “mesmo pouco” por falta do que fazer e de instrumento, ou serão um bando de filhinho de papai que ouviram o que ta rolando na mtv e nas radios?
Que viverá essa mesma rotina de merda da cidade?
Ou darão a volta por cima?


Fellipe: na moral!
Monte Dourado já foi muito foda!
E não tenho tantas esperanças nessa nova geração, são poucos daquele moleques que eu ainda boto esperança. Mas o rock ainda existe, o que não tem é aquela vontade de aprender um instrumento e formar uma banda.
Tem maluco ali que tem tudo na mão, mas não tem atitude.
Acredito que é mais legal quando é o contrario.
Essa e a graça de derramar suor pelo underground.
Mas creio q o rock acabou quando a “firme e forte” (grupo de amigos que surgiu entre 2005 e 2008) se separaram com o tempo por causa dos estudos fora.
Não tenho, mas tantas esperanças nos que ficaram, estão todos acomodados, ocupados de mais bebendo cerveja, ocupados de mais para formar algo novo.
MTD caos mano.
MTD caos...
O pessoal das antigas está desgastado, e os novos não fazem nada só ficam esperando por atitude dos outros é foda!
Temos q criar nossas próprias “Do it yourself” é só assim que o trem anda

Billynho podre: pode crer irmão, valeu ai pela entrevista, e por ser minha cobaia.

Fellipe: nem sabia que isso era uma entrevista .¬¬
Sua bixa.
(risos)

e assim acaba a primeira entrevista que faço na vida! ahahahahha!

ps: desculpe os erros foi a pressa!
"lembrem-se crianças, a pressa é inimiga da perfeição!"


                                             (primeira formação da molotov-77, abril de 2008)
O ínicio

                                             (primeira formação da Libetários, maio de 2008)

 
                                                                          libertarios
                     primeiro show "esqueci completamente" de ir no baronesa rock (halloween)

libertarios
segunda apresentação niver do harlisson (baronesa rock)

Agressão verbal

2 comentários:

  1. Precisamos trabalhar juntos, senão você vai roubar meu emprego...KAPAOSKAPSOAKSPAOS
    gostei pra caramba, hm. (:
    ;*

    ResponderExcluir
  2. Kkkk. Bela entrevista, billynho. Você tem futuro como jornalista, no entanto, a entrevista está mal editada e não sei quando é você ou o felipe que esta com a palavra. Odeio o punk, odeio a musica punk e odeio a atitude punk, mas amo voces.

    ResponderExcluir